"ANO ESPECIAL"

Treinador da categoria infantil faz balanço positivo do ano; categoria conquistou um vice-campeonato e um terceiro lugar em sua estreia

“ANO ESPECIAL”

Para se obter êxito em qualquer trabalho, é necessário um planejamento, o cumprimento do mesmo e, principalmente, tempo para a obtenção de resultados. Entretanto, o que se viu no primeiro ano da categoria infantil do Olímpia foram frutos colhidos tão rápido quanto plantados.

Isso está exposto nos resultados conquistados pelo técnico Márcio Miranda e seu grupo, a quem ele dá todos os créditos pelo saldo positivo. A primeira competição disputada foi a Copa Metropolitana, onde o Olímpia iniciou sofrendo uma goleada do Vitória e absorveu dali o necessário para crescer na competição, caindo apenas nas oitavas de final.

“Montamos uma categoria muito rápido para poder participar. De cara, jogamos contra uma das melhores equipes e fomos goleados, mas foi de grande aprendizado. De lá para cá, evoluímos muito. Começamos a construir uma equipe que respeita muito a parte tática. Foram chegando novos jogadores e assimilando bem o que eu estava pedindo. Mantivemos o planejamento de jogo e, com maior talento, fomos para uma competição na cidade de Ubaíra, onde fomos vice-campeões e só levamos um gol. Foram 21 marcados. Apenas uma derrota, que foi a da final. Com essa mesma base, então, fomos para o Campeonato Baiano”, explicou o treinador.

(Foto: Luan Guimarães / E.C. Olímpia)

Na primeira experiência em uma competição oficial importante como o estadual, o time sofreu alterações, mas cresceu ainda mais. Enfrentou adversário difíceis, com muito mais experiência e elenco montado há mais tempo, mas ainda assim a Águia Baiana não sentiu a pressão, sucumbindo apenas para o Bahia, nas semifinais.

“Tivemos planejamento, organização, os jogadores aprenderam a jogar a competição. Todas as equipes tinham elencos que já vinham treinando junto há muito tempo e nós, no primeiro ano, jogamos de igual para igual. Todos os jogos foram difíceis, até os que não esperávamos, mas soubemos nos superar. Chegamos ao terceiro lugar não só pelo nosso talento, mas também pela superação”, completou.

O terceiro lugar, obtido após um triunfo sobre a Jacuipense por 3 a 1, no estádio de Pituaçu, aparece na campanha que contou apenas com duas derrotas em 11 jogos, e teve um valor semelhante ao de um título. Márcio Miranda se mostrou muito contente com o desempenho dos seus comandados.

Time sub-15 bateu a Jacuipense na disputa pelo terceiro lugar do Baiano (Foto: Luan Guimarães / E.C. Olímpia)

“Foi um ano especial para mim, ainda mais porque foram jogadores que não tiveram base. Alguns não passaram por clube nenhum, então não puderam aprender fundamentos. Mesmo com o pouco tempo que tivemos, eles se dedicaram, aprenderam e executaram sempre o que a comissão técnica passava. Eu digo que eles são, hoje, a base do Olímpia, porque absorveram a filosofia do clube. São comprometidos, vestem a camisa, conhecem o Olímpia como poucos e fizeram a diferença. Foi um ano de crescimento, de aprendizado…”, pontuou, antes de revelar o que espera para 2018.

“Já temos um esqueleto para o time do ano que vem, que foi preparado pelo professor Flávio no sub-14. Vamos utilizar alguns jogadores e esperamos que, com o que temos e com os que irão chegar, a gente possa fazer o que fizemos em 2017: uma equipe que queira estar entre os melhores sempre, que mostre qual é a cara do Olímpia, o estilo de jogo do clube. Certamente teremos mais competições, então sabemos da importância e necessidade de montar uma equipe com espírito campeão logo no início da temporada”, finalizou.

Ao todo, a categoria infantil disputou 36 jogos em 2017, tendo seis derrotas, dois empates e 28 vitórias.